Cátedra UNESCO

Cátedra UNESCO em Património Imaterial e Saber-Fazer Tradicional: Ligando Patrimónios

foto_FT_Barata

Titular  | Filipe Themudo Barata

WEBSITE

Desde 2013, o CIDEHUS dispõe de uma Cátedra UNESCO em Património Imaterial.

Objetivos:

  • Estabelecer uma rede de instituições das duas regiões (Mediterrâneo e África), a fim de poderem partilhar soluções para os problemas ligados ao património imaterial, particularmente no domínio do "saber-fazer tradicional " e da sua aplicação ao património material;
  • Promover e integrar sistemas de investigação, mobilidade, formação, informação e documentação na área do património, know-how, diversidade, diálogo, desenvolvimento, memória, ordenamento do território e recursos culturais, tendo em conta todas as atividades anteriores que, nestes tópicos, já foram desenvolvidas no Mediterrâneo e em África;
  • Facilitar a colaboração entre investigadores internacionalmente reconhecidos e equipas de investigadores das Universidades de Évora e de Cabo Verde e de outras instituições no Mediterrâneo e em África;
  • Realçar a importância de alguns princípios, tais como a solidariedade social, ajudando assim a consolidar a coesão social das comunidades e focando, ao mesmo tempo, a tradição e a inovação;
  • Salvaguardar memórias e identidades de comunidades e grupos ao alargar o conhecimento de jovens investigadores sobre os princípios que norteiam a Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003 e a Convenção do Património Mundial de 1972;
  • Aperfeiçoar e divulgar boas práticas relacionadas com a conservação do património e o desenvolvimento sustentável e ajudar as pessoas a construir alternativas com vista ao desenvolvimento económico cultural e social;
  • Conceber um modelo de intercâmbio de informação e de boas práticas entre grupos académicos e investigadores provenientes de países do Sul, sob o lema "Investigadores voltam a ser alunos”;
  • Incentivar os investigadores a trabalharem em conjunto e pensarem de forma multidisciplinar;
  • Apoiar políticas de ordenação do território e de conservação do património, com foco especial nos locais classificados de Património Mundial;
  • Ajudar as pessoas a compreender outras perspectivas e respeitá-las.